Busca

Cullinarices

Receitas vegetarianas gostosas para contrariar quem pensa que vegetariano só come alface

Dieta vegetariana para quem enfrenta o câncer

Além da questão ética, a dieta vegetariana ou vegana está intimamente ligada à saúde. Diversos estudos apontam que uma alimentação baseada em vegetais traz inúmeros benefícios, atuando como fator de proteção para doenças como o câncer. E não só isso: a carne também vem cada vez mais figurando como vilã para comunidade científica. Pesquisas sugerem que o consumo de carnes defumadas, grelhadas e embutidas aumenta o risco de câncer e a mortalidade após o câncer de mama. O alto consumo de carnes está associado ao risco elevado de tumores como colorretal, de pâncreas e próstata.

Para completar, a carne vendida no Brasil está sob suspeita após a operação Carne Fraca da Polícia Federal ter revelado uma série de irregularidades em sua produção, passando pela contaminação com bactérias, adição de químicos além dos limites tolerados e até de papelão!

Especialmente para quem passa por um momento delicado como o tratamento de um câncer, o consumo de ingredientes de origem animal pode não ser uma boa ideia. Com a imunidade reduzida, é arriscado comer alimentos sob suspeita de contaminação, além disso, muitos pacientes adquirem intolerância à lactose em razão dos medicamentos.

Por tudo isso, o blogue Cullinarices recebeu um pedido especial. Fomos convidados a escolher cinco receitas fáceis para compartilhar com os leitores do blogue Viver Eu Quero, da Dayane Sant’Anna. Há um ano, Dayane foi diagnosticada com câncer de mama, com apenas 32 anos. Ainda em tratamento deu início ao blogue com o intuito de publicar informação de qualidade sobre a doença.

“Quando fui diagnosticada, senti falta de um material de qualidade e num linguajar acessível”, conta. “Na internet, encontrei extremos: desde opiniões dramáticas, carregadas de mitos, a informações de qualidade, porém numa linguagem muito técnica.”

O blogue se tornou um canal para auxiliar a sua própria recuperação e a de outras centenas de mulheres. “Comecei a dar ainda mais valor à vida. Percebi que não fazia sentido algum me desesperar por achar que tinha perdido o controle da vida, pois este controle nunca existiu para mim, nem para qualquer outra pessoa. Enxerguei no meu diagnóstico um despertar para o que realmente importava e quis passar isso para outras pessoas na mesma situação”, diz.

Dayanne Sant’Anna, autora do blogue Viver Eu Quero. (foto: Os Máximos Fotografia)

No Viver Eu Quero, Dayane traz textos, vídeos e entrevistas sobre tratamentos e avanços no combate ao câncer, além de material mais leve sobre autoestima e histórias de superação de outras pacientes.

“O blogue foi se desenvolvendo e percebi que a sede por informações por parte dos pacientes era muito grande, pois muitos não conseguiam estabelecer uma comunicação real com seus médicos”, conta. “Além disso, o estigma do câncer arrastava para a depressão vários outros pacientes. Pensei comigo: pode ser uma gota no oceano, mas talvez eu tenha condições de fazer a diferença para essas pessoas. Então eu tentei fazer a diferença. Continuo tentando até hoje.”

Sobre o consumo de carne e derivados animais, Dayane diz que após a doença passou a pensar mais sobre o assunto: “Confesso que tenho dificuldades para abrir mão de carnes e derivados de leite, contudo após meu diagnóstico, inevitavelmente, passei a me preocupar com o consumo excessivo de carne”, diz. “Diminuí o consumo de carne e passei a apreciar alguns alimentos que antes pouco aproveitava em minhas receitas, como cogumelos, quinoa, castanhas, gengibre, açafrão e graviola. Passei a fazer mais alimentos assados do que fritos e diminuí consideravelmente o consumo de produtos industrializados.”

Se você ou algum familiar estiver passando pela luta contra o câncer, dá uma passada no Viver Eu Quero que , com certeza, vai encontrar material interessante.

 

 

 

Anúncios

Bolo salgado de grão de bico

Uso muito grão de bico para fazer falafel. O bolinho é tão gostoso que é difícil resistir a ideia de usar o grão de bico para fazer outra coisa. Mas nesse carnaval resolvi tentar algo diferente. Daí surgiu esse bolo salgado de grão de bico. Continuar lendo “Bolo salgado de grão de bico”

Pizzas veganas no RJ – ZS – Atualizada

Me deparei com um post antigo aqui do blogue com opções de pizzas veganas no Rio de Janeiro. Há dois anos havia apenas 3 opções de pizza perto de casa, na Zona Sul e Centro ( e eu já achava muito!). Para nossa felicidade, de lá para cá surgiram muitas outras opções! Por isso aqui vai uma lista atualizada com dicas para a Zona Sul, todas com delivery no iFood. Continuar lendo “Pizzas veganas no RJ – ZS – Atualizada”

Tomates recheados com tofu

Um dos mais versáteis alimentos, o tomate, é a estrela desse prato. Tomates recheados são um clássico que pode ser vegano também. Super fácil e rápido de fazer, impressiona e traz beleza à mesa. Continuar lendo “Tomates recheados com tofu”

Mousse de chocolate perfeita

Tofu. Calma, não se assuste. Sim, é um alimento meio sem graça, sem gosto, molenga. Mas tudo depende de como você o trata. Nessa receita o tofu é muito bem tradado. É a prova de que mesmo o ingrediente mais insosso pode ganhar vida se bem usado! Das bases que já testei até hoje para fazer mousse, o tofu é uma das melhores. Além de ficar deliciosamente cremosa, essa mousse é rica em proteína e bem menos calórica que uma mousse comum ou à base de abacate ou oleaginosas.

Continuar lendo “Mousse de chocolate perfeita”

Pasta ao molho branco de castanha de caju com shitaki e tomatinhos #vegano

macarraoMolho branco não é sinônimo de creme leite, leite ou qualquer produto de origem animal. Ele pode ser feito com diversos leites vegetais, em especial os de oleaginosas, como amêndoa e castanha de caju. O de amêndoas resulta em um molho mais líquido, parecido com o tradicional molho bechanel feito com leite e farinha. Já o de castanha de caju tem uma consistência mais cremosa, semelhante à obtida com o creme de leite comum.  Essa cremosidade é incrível e com os temperos certos resulta num molho robusto capaz de surpreender paladares menos acostumados com uma dieta sem ingredientes de origem animal. Continuar lendo “Pasta ao molho branco de castanha de caju com shitaki e tomatinhos #vegano”

Harumaki ou rolinho primavera, assado

No Brasil tudo se adapta. Basta ver que não é incomum encontrar em restaurantes rolinhos primavera de queijo, camarão, carne seca, brigadeiro etc. Eu fico frustada. Uma vez perguntei ao garçom de um restaurante a quilo o que eles tinham contra o rolinho original de legumes e ele me respondeu que era sem graça diante do de camarão e por isso não faziam. Mas aqui a receita é do rolinho primavera tradicional ou harumaki,  que é vegano! Mais legumes, por favor e por amor.

PS: Hoje é o primeiro dia do outono, mas tudo bem dar receita de primavera né? Continuar lendo “Harumaki ou rolinho primavera, assado”

Nachos caseiros

Nachos ou tortilhas? Os nomes confundem muita gente. Pelo o que eu pesquisei, tortilha é essa massa crocante de milho mexicana que pode ser usada para muitas coisas, entre elas o nacho, que é o nome do prato que consiste em pequenas porções de tortilhas de forma triangular com algum molho como chili, guacamole, sour cream ou queijo cremoso. Seja como for, os triângulos crocantes são deliciosos, ótimos aperitivos e o melhor, fáceis de fazer! Essa receita vai te convencer a deixar de lado o Dorytos com seus mil aditivos químicos e quilos de sódio para ter à mesa um nacho caseiro, charmoso e natural. Continuar lendo “Nachos caseiros”

Tomatinhos confit

Chamar de receita parece até exagero, mas sem dúvida é uma receita coringa ótima para várias ocasiões. Tomatinhos confitados ou confit, como é moda falar nos programas de culinária, são ótimos como acompanhamento, antepasto e em saladas.

Continuar lendo “Tomatinhos confit”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑